Vitória vence o Doze por 2 x 0 no primeiro jogo do campeonato mas precisa melhorar

| 22/01/2018 |





Foto : Wagner Chaló
O Vitória estreou nesse sábado contra a incógnita do campeonato, o Doze. Como não podia ser diferente, o alvianil ganhou de 2 x 0 mas ainda não convenceu totalmente sua torcida que espera um time mais entrosado pro restante do campeonato.

A equipe iniciou o jogo com o time que vinha sendo titular nos jogos treinos porém com o volante Brian improvisado na lateral já que os dois laterais de ofício não estavam em condição de jogo. Aliás, tínhamos apenas 5 atletas no banco o que liga um sinal amarelo na administração do clube: tivemos vários jogadores ainda não inscritos o que realmente não pode acontecer mais.

Ramon comemorando gol / Foto : Wagner Chaló
A partida começou com o Vitória dominando o jogo e aos 10 minutos do primeiro tempo já chegou à meta. Hércules recebeu, fez um excelente trabalho de pivô e deixou Ramon na frente do gol que, em um belo chute colocado, colocou a bola no fundo da rede. 1 x 0 pro Vitória. O restante do primeiro tempo foi em geral o Vitória atacando, mas pecando na hora da finalização facilitando muito o trabalho do goleiro Maranhão, do Doze. No finalzinho, aos 48 minutos, Wilker abre para Anderson que devolve em um cruzamento na medida na cabeça do próprio Wilker que mete a bola no gol. 2 x 0 e fim do primeiro tempo.

Como era de se esperar, o Vitória volta pro segundo tempo com uma proposta diferente, ganhando com dois gols de diferença a equipe aposta em cadenciar o jogo. Thiago Keller, ainda recuperando a forma física depois de 5 anos parado, sai para a entrada do lateral Ayrton improvisado na esquerda. Aos 16 minutos o Doze tem sua principal chance nos pés do atacante Duroc, mas Victor Coutinho faz bela defesa jogando a bola para escanteio. Com 30 minutos de segundo tempo tanto Wilker quanto Wesley sentem e em seus lugares entram Pedrinho e Henrique Zorzal respectivamente. A última bela jogada saiu dos pés do ídolo Hércules que aos 40 minutos, em falta acontecida no campo de defesa da equipe alvianil, sente o goleiro Maranhão adiantado e chuta dali mesmo, a bola passa perto do gol mas vai para fora.

Anderson / Foto : Wagner Chaló
Alguns comentários mais gerais sobre a partida: Hércules e Wilker tem tudo para ser a principal dupla de ataque do campeonato, sem exageros. Wilker tem uma capacidade de ir pra cima dos adversários com belos dribles e velocidade que impressionam, enquanto Hércules desconta a idade avançada com cada vez mais inteligência no passe além do faro de gol. Wallace, apesar de não ter feito uma partida ruim, ainda deixa muito espaço quando avança o que fez Thiago Keller ter que recuar muitas vezes para segurar na defesa - até por isso deve ter sido substituído no primeiro tempo. A nossa zaga continua muito segura e Leo Alves cada vez mais se mostrando intransponível, Wesley saiu machucado mas pelo jeito foi só uma câimbra. Davi e Ramon também fecharam o meio de campo e roubaram muitas bolas, claro que ajudados pela deficiência técnica da equipe adversária. Destaque mais do que negativo da partida, como já dissemos antes, foi ter apenas 5 jogadores no banco sendo que um recuperando de lesão, para uma equipe que planeja ser campeã isso realmete não pode acontecer, tivemos dois jogadores saindo por cansaço/câimbra (o que já é de se preocupar) e poderia ter sido pior caso outros se machucassem. Fora isso, fizemos nosso trabalho na estreia e dia 27 temos jogo duro contra o Serra fora de casa. Avante Alvianil!
LEIA MAIS

Os primeiros três pontos do ano vieram diante do torcedor contra o Concórdia

| 21/01/2018 |
Com gols de Mailson e Alex Maranhão a primeira vitória do tigre veio diante do Concórdia para quase 2.000 torcedores que prestigiaram o time nesse domingo.
LEIA MAIS

Pela Copa do Nordeste, CRB estréia com vitória e emoção

| 16/01/2018 |
Foto: Treze.

Finalmente a espera acabou, torcedor. Depois de pouco mais de um mês, a bola voltou a rolar para o CRB na temporada, pela Copa do Nordeste. O adversário da noite foi o Treze Futebol Clube, de Campina Grande.
LEIA MAIS

Temporada 2018 vem aí e o que esperar do CRB?

| 15/01/2018 |
Foto: CRB.
Após um pouco mais de um mês de férias, finalmente a temporada 2018 irá começar. Apesar de alguns estaduais já estarem em andamento, a grande maioria dos clubes Brasileiros iniciam sua jornada nesta semana, como é o caso do Clube de Regatas Brasil.
LEIA MAIS

RESUMO: A virada de ano do Liverpool!

| 08/01/2018 |
O boxing day é um feriado anual que acontece no dia 26 de dezembro na Inglaterra. Entre outras festividades, há uma sequência de jogos de futebol em um curto espaço de tempo. O Liverpool, por exemplo, jogou nos dias 26 e 30 de dezembro, e, nos dias 01 e 05 de janeiro, sendo três destes em casa e um fora, pela Premier League e FA Cup.

LEIA MAIS

Deu a lógica! O Vitória vence da equipe sub 20 do Espírito Santo em seu primeiro jogo treino da pré-temporada.

| 24/12/2017 |
Em seu primeiro jogo treino preparativo para o Capixabão 2018, o Vitória venceu o sub 20 do Espírito Santo por 2 a 1 e deu as primeiras dicas de como será o time no campeonato.

Thiago Keller / Foto : Wagner Chaló
O time entrou com Victor Coutinho no gol, Wallace e Magno nas laterais, Wesley e Leo Alves na zaga. No meio campo Davi como primeiro volante, seguido por Lucas Valim além de Thiago Keller e Anderson mais adiantados. Por fim, Hércules e Wilker no ataque.

O jogo não foi diferente do esperado para um jogo treino. A equipe do Espírito Santo estava mais entrosada e encaixada, dando uma certa pressão principalmente nas laterais que subiam muito e não recompunham a defesa, em uma dessas jogadas o ES quase abriu o placar depois de um cruzamento cujo chute parou na trave. O Vitória também não ficou tão atrás e em jogada individual Hércules chutou para fora mesmo com Wilker em melhores condições fechando pela direita. Em uma jogada pelo lado direito da defesa do Vitória, o gol acabou saindo pelos pés de Falcão. 1 x 0 para o Espírito Santo sub 20.

Com o tempo o time do Vitória foi cadenciando mais a partida, os laterais seguraram um pouco mais na defesa e o ataque alvianil começou a mostrar ao que vinha. Depois de um chute venenoso fora da área, o goleiro do adversário deixou a bola nos pés de Thiago Keller que tocou para Anderson só empurrar para o fundo do gol. 1 x 1. Pouco tempo depois, em escanteio batido pelo mesmo Thiago Keller, Hércules fez de cabeça. 2 x 1 e o primeiro do ídolo na temporada.

Anderson / Foto : Wagner Chaló
No segundo tempo, como normalmente acontece, a equipe trocou inteira e o jogo se tornou basicamente um teste para jogadores reservas e, principalmente, para jogadores ainda não contratados mostrarem seu valor. O destaque do segundo tempo vai para o atacante Diego Grafite e o meia Marcos, jogador não inscrito que estava em fase de testes. Diego não mostrou muita força no ataque, porém conseguiu fazer algumas boas jogadas de pivô e fez um belo passe para o Marcos carimbar a trave adversária. Ambos pecaram muito por falta de ritmo mas parece que têm bola para mostrar.

O jogo acabou nesses 2 a 1 mesmo mas deu para ter uma ideia do que será o Vitória no Capixabão. Pelo que mostraram na Copa ES, Mádisson e Ramon que não puderam jogar, ainda estão na frente em busca da titularidade, muito provavelmente no lugar de Thiago Keller, que apesar de mostrar que ainda tem futebol pecou muito pela lentidão e por chamar demais por faltas, e de Lucas Valim. O zagueiro Marquinhos também não pôde jogar, então não pudemos ver seu trabalho dentro de campo.  Hércules ainda tem o faro de gol apurado mas vai precisar da ajuda do elenco, nesse sentido Grafite vai precisar treinar dobrado para substituir o goleador quando for necessário. Wilker mais uma vez demonstrou que sobra no futebol capixaba, mostrando rapidez, toque de bola apurado e muitos dribles.


A torcida do Vitória pode esperar uma equipe bem preparada e bem treinada. Ainda restam alguns detalhes como um ou dois laterais, mais um zagueiro  para compor e uns dois atacantes para revezarem lá na frente. O próximo desafio para a equipe será um jogo treino contra o sub 20 do Rio Branco no dia 27/01 de manhã no Salvador Costa além do esperado amistoso contra o Botafogo no dia 11/01 de noite no estádio Kléber Andrade, em Cariacica.


LEIA MAIS

O Vitória apresentou hoje seu elenco para 2018 e vem com novidades

| 15/12/2017 |
Elenco para o Capixaba 2018 / Foto : Hélio Roberto
Hoje iniciou-se o caminho do Vitória para o Capixabão 2018. O elenco foi apresentado para a imprensa e a torcida e deixou uma boa impressão. A diretoria é unânime em rejeitar a ideia de favoritismo e oba-oba de 2017 e querer demonstrar em campo que tem trabalho e competência.

Do time da Copa ES foram mantidos a dupla de zaga titular, Wesley e Leo Alves, além do volante Ramon, os meias Mádisson e Pedro Gomes (que tinha subido da base, mas não teve muitas chances) e os atacantes Wilker e Hércules, esse último grande ídolo da torcida. A perda mais sentida, sem dúvida, é do goleiro Fernando Subzero, que foi para o futebol português.

Tivemos retornos de alguns jogadores que passaram pelo alvianil recentemente, como o lateral esquerdo Wallace e o meia Juninho Capixaba. De novidades temos os 3 goleiros - Victor Coutinho e  Martin Becker, vindos do Rio Branco, e Breno, do Serra.  Também o zagueiro Marquinhos, vindo do Serra; o lateral George, que jogou na base do América-MG; os volantes Lucas Valim e Brian da Desportiva; os meias Anderson do Rio Branco, negociado ao futebol estadunidense e emprestado para o estadual ao Vitória, e Thiago Keller, a grande surpresa do dia, pois volta  ao futebol profissional depois de uns 5 anos parado - se jogar o que sabe será muito bem-vindo. E por fim os atacantes Charles, vindo do Rio Branco, e Diego Grafite, vindo do futebol paulista, que trocou uma ideia com nossa coluna. Abaixo segue o resultado desse papo.

Diego Grafite / Foto : Wagner Chaló
Diego Grafite

Conversamos um pouco com uma das novidades do elenco desse ano, o atacante de 29 anos Diego Grafite. Em um papo agradável, o jogador contou um pouco de sua história. 

Sobre o apelido Grafite, contou que esteve em um elenco recheado de Diegos em sua passagem por Jundiaí, e o técnico sugeriu esse apelido para diferenciar, e pegou. 

Passou pelo futebol mineiro e paulista e estava no futebol do Acre no início do ano, quando teve uma apendicite e teve de parar - naquele momento era vice artilheiro do estadual da primeira divisão pelo Humaitá. No segundo semestre foi campeão do municipal de Cajamar, cidade do interior paulista. 

A sua chegada no Vitória, sendo sua primeira passagem pelo futebol capixaba, se deu por intermédio do zagueiro Wesley, antigo colega no América-SP, que sugeriu a contratação do experiente atacante por suas características e faro de gol. Com uma estatura de 1,92, o atacante promete muitos gols de cabeça e deve ser uma boa opção ao veterano Hércules. 




LEIA MAIS

BI CAMPEÃO !

| 28/11/2017 |
América conquistou o Bi da B 20 anos depois da primeira conquista. (FOTO: Leandro Couri/EM/D.A.Press)
20 anos depois. Esse foi o tempo de espera que a torcida americana aguardou para novamente soltar o grito de campeão da Série B do Campeonato Brasileiro. E esse título veio no último sábado, após o Coelho vencer o CRB por 1 a 0 no Estádio Independência, que teve seu recorde de público com 22.481 pessoas, com o gol do predestinado Rafael Lima aos 20' da etapa final.

O América que entrou na competição visando apenas o acesso, já que o Internacional era franco favorito pelo orçamento e grandeza que tinha, viu durante o campeonato a possibilidade de título ir crescendo, principalmente pelos vacilos colorados na reta final da competição. E para chegar até esse grande título, os comandados de Enderson passaram por várias situações, boas e ruins, durante a competição e vamos contar agora como foi esse caminho do Coelhão até levantar o caneco.

1º TURNO

A Série B começou para o Coelho no dia 12 de maio, mais especificamente uma sexta-feira, contra o Naútico, na Arena Pernambuco de portões fechados. A partida foi bem fraca tecnicamente e terminou empatada em 0 a 0, frustando os torcedores do América que esperavam uma equipe mais competitiva após 15 dias de inter temporada e com uma estreia vitoriosa. Na partida seguinte, a primeira em casa, contra o Goiás, os comandados de Enderson até chegaram a abrir o placar com Ruy, mas sofreram o empate frustante já no fim do jogo. 

A primeira vitória veio fora de casa, contra o Criciúma. Após a equipe da casa abrir o placar, o Coelho mostrou poder de reação e venceu por 3 a 1. Era o começo da arrancada, com dois jogos seguidos em casa depois? A resposta foi não. Na partida seguinte o Coelho foi derrotado em casa para o Paysandu e desconfiança voltou a surgir para os lados do Lanna Drummond. Uma vitória na sequência, a primeira em casa por 1 a 0 gol de Luan deu uma aliviada para Enderson e seus comandados.

Mais uma nova sequência de três jogos sem vitória assombrava novamente o lado americano. E quando Enderson parecia estar com o cargo perdido, eis que surgi Matheusinho do banco, em uma partida truncada em 0 a 0 contra o Santa Cruz, e garante a vitória do Coelho por 1 a 0 e a arrancada rumo ao G4. Foram 12 jogos de invencibilidade, o que levou o América a ingressar no G4 na 11ª rodada, após vitória de 3 a 0 em casa diante do Brasil de Pelotas.

Nessa sequência de 12 jogos de invencibilidade, da 7ª até a 18ª rodada, o alviverde colecionou boas atuações e o crescimento de toda equipe, com destaque grande para o trio de ataque invicto da competição MLB (Matheusinho, Luan e Bill). Destaco nessa sequência três jogos que foram bem importantes para dar confiança a equipe. A vitória por 1 a 0 sobre o Santa Cruz, a de 4 a 2 sobre o Figueirense e a de 1 a 0 sobre o Juventude, em Caxias do Sul. A primeira pelo momento conturbado que a equipe vivia, a segunda por ser uma partida que a equipe literalmente "voou" em campo e a última por no momento do campeonato ser um confronto direto e na casa do adversário.

A quebra da sequência veio exatamente no jogo que fechava o 1º turno, derrota de 2 a 1 para o CRB, em Alagoas.
Rafael Lima atuou em 37 das 38 partidas da equipe no torneio.  (FOTO: Leandro Couri/EM/D.A.Press)



2º TURNO 

A segunda parte da competição tiveram momentos mais complicados para a equipe no geral, queda essa esperada, já que toda equipe tem um momento de oscilação na competição e que foi muito bem controlado pelo treinador americano e seus atletas.

O primeiro jogo já mostrou bem o que torcedor mais viria no 2º turno, jogos apertados e com vitórias por placares mínimos. E foi exatamente isso que aconteceu, 1 a 0 América e a caminhada para o acesso e título seguia firme. 

Após essa vitória, dois empates consecutivos que havia colocado uma certa preocupação na torcida, ainda mais pelo crescimento do Inter na competição, ameaçando a liderança do Coelho na época. Na sequência, um intervalo pela data FIFA de 15 dias e a volta em um jogo fora contra o Paysandu, era uma das sequências de dois jogos fora já que posteriormente enfrentaria o Ceará, e o grupo provou a grandeza com vitória por 1 a 0. Depois empate contra o Ceará em Fortaleza, em 1 a 1 com gol do então estreante Edno.

Algumas rodadas depois viria mais uma prova de fogo para todo o grupo. Sequência de duas derrotas para Internacional, em jogo que o América mostrou grande futebol e mostrava ali que o Coelho tinha potencial para brigar ponta a ponta com o colorado, e para o Oeste em casa na fatídica manhã de domingo, ambas por 2 a 1.

E o grupo passou novamente por esse teste. Em partida realizada em Recife, na rodada seguinte o Coelho voltou a bater a Cobra Coral por 1 a 0, com gol de Matheusinho, como no 1º turno, e novamente respirava aliviado rumo aos seus objetivos.
A torcida americana foi muito importante para o Coelho nessa campanha do Bi. (FOTO: Leandro Couri/EM/D.A.Press)

O alviverde mineiro administrava bem o campeonato, mas uma nova sequência deixou a torcida americana tensa, porém nunca sem abandonar o time. Dessa vez uma sequência de três empates consecutivos, contra Brasil de Pelotas, Paraná e Boa, esse último o mais sentido, pois a equipe vencia por 2 a 0 a equipe boveta e cedeu o empate no último lance do jogo.

E mais uma vez teve a volta por cima. Rodada posterior ao empate, os comandados de Enderson foram à Campinas e venceram partida complicada contra o Bugre, 1 a 0 com gol de Bill. Daí pra frente a equipe não deu mais bobeira e conduziu bem até o fim do torneio.

Contra o Figueirense, na 35ª rodada, a vitória veio, por 2 a 1 fora de casa e o Coelhão garantia ali a volta para a elite com três rodadas de antecedência, fato raro na história americana. 

Após o acesso, o Coelho buscava algo a mais, o tão sonhado bi campeonato. Com a liderança de volta, o América encaminhou o título na antepenúltima rodada com vitória de 1 a 0 sobre o Juventude. Depois empatou fora contra o Londrina em 0 a 0 e deixou para a última rodada a decisão do título.

JOGO FINAL

A obsessão pelo bi campeonato era mais do que real para a equipe americana. O jogo final não poderia ser em outro local mais especial do que a casa americana, o eterno Raimundo Sampaio, vulgo Independência. Em partida truncada, com a equipe do CRB caindo boa parte do duelo, os atletas tiveram de fazer um jogo de paciência até o gol.

E após sequências de bola na trave, defesas do goleiro adversário e bolas passando muito perto do gol, o tento veio. Em cobrança de escanteio feita por Ruy, o predestinado Rafael Lima que a 1 ano atrás se livrava do trágico acidente aéreo da Chapecoense, apareceu na segunda trave e de joelho completava para o fundo das redes. 1 a 0 América. Era o gol do bi, o gol que soltou o nó da garganta de mais de 22 mil presentes no estádio americano depois de 20 anos do primeiro título.  
Rafael Lima comemorou muito o gol que deu o título e dedicou as famílias que perderam seus entes queridos na tragédia do ano passado. (FOTO: Gladyston Rodrigues/EM/D.A.Press)

CAMPANHA

Os números do Coelho foram impressionantes nessa série B. Segue abaixo alguns destaques dessa campanha:
  • 20 vitórias, 13 empates e 5 derrotas (time que menos perdeu na competição), 73 pontos e com 64% de aproveitamento.
  • 46 gols marcados, 4º melhor ataque da competição.
  • 25 gols sofridos, a melhor defesa da edição 2017 e de toda a história da série B por pontos corridos.
  • Em 21 jogos da competição a equipe de Enderson não foi vazada.
  • Foi a equipe mais disciplinada do campeonato, recebendo apenas 65 cartões em toda a competição, média de apenas 1,7 por partida. 
  • Equipe no G4 desde a 11ª rodada e ficou em 11 dessas rodadas na ponta.


LEIA MAIS